Velho navio

Homenagem ao glorioso Navio-escola e Navio Oceanográfico “Almirante Saldanha”:

Velho navio

Velho navio,
cisne branco em ventre azul
das águas límpidas do sul.

Quantas vezes partiste,
rasgando o dorso dessas águas,
rútilo velame de punhais
que permanece incólume ao tempo e à morte.

O grito do gajeiro fere,
súbito,
o teu silêncio ancestral.

Na noite dos teus mastros decepados,
ouço vozes perdidas de manobras a pano
e o vento milenar da tempestade.

Hoje, meu velho Saldanha,
renasces para sempre.
E, fulgurante pássaro marinho,
retornas à integridade original.

Lucimar.
Este poema foi escrito no dia da Mostra de Desarmamento do “Saldanha”, 6 de agosto de 1990, por mim, seu derradeiro comandante.

Natal, 21 de julho de 2016

.0494

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s