Nascimento

Para hoje, um soneto, escrito quando preparava o livro “Estado de Poesia”, em final de 2008:

Nascimento

Eu nasci sob a luz de um candeeiro,
Numa distante e quente madrugada,
Minha mãe sobre a cama, ensanguentada
Meu pai a suar frio, o tempo inteiro.

Perdi o acalentar doce e maneiro
E infelizmente não sabia nada
Do que tinha de andar por essa estrada
Do mundo, a que chegava, sem roteiro.

Depois, abasteci minh’alma escrava
Do desejo de ser louco aprendiz
De viver e morrer, que me restava…

E agora, que aprendi o que não quis
Enquanto a vida, célere, passava,
Só quero, na verdade, ser feliz!

Lucimar.
Natal, 5 de abril de 2014.

Anúncios

Uma resposta para “Nascimento

  1. Pingback: Nascimento | prgotac

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s